A escrita como ferramenta a nosso dispor

Lançamento livro Perdas Compartilhadas-604

“o valor fundamental da escrita está em sua capacidade de fazer com que nos perguntemos como e por que nos sentimos de um determinado modo” James Pennebaker

Segundo James Pennebaker autor do livro Opening up: the healing power of expressing emotions (publicado no Brasil com o título Abra seu coração) a escrita pode tanto nos ajudar a organizar pensamentos,  situações cotidianas e eventos traumáticas vividos como, também, melhorar a saúde física e mental.

Ao escrever sobre um problema que, a princípio, parecia imenso, as pessoas poderão ter mais facilidade para administrar e resolvê-lo, além de compreender a dimensão real do que está sendo vivido, depois de enxergá-lo no papel.

Em 1983, foi realizado um estudo com 46 voluntários, alunos do curso de Psicologia, da Universidade Metodista do Sul (EUA). Pennebaker e Sandra Beal queriam checar a relação entre a escrita e a saúde e os possíveis benefícios da expressão das emoções.

Dividiram os participantes em 4 grupos. O estudo foi  anônimo e confidencial e os voluntários não deveriam se preocupar com a gramática, ortografia ou estrutura da frase. A escrita aconteceu durante 4 dias consecutivos com duração de 15 minutos/cada.

Foi comparado o número de visitas de cada participante ao centro de saúde nos meses anteriores ao estudo e nos meses seguintes. Todos apresentaram o mesmo número de visitas, antes do estudo.

Grupo1- Escreveram apenas sobre as emoções relacionadas ao evento traumático, como se sentiram na ocasião e como se sentem no momento presente, sem mencionar diretamente o evento.

Grupo2- A escrita concentrou-se nos fatos, na descrição do evento traumático em detalhes, sem mencionar as emoções vinculadas a estes fatos.

Grupo3- Escreveram sobre o evento mais traumático vivido e expressaram pensamentos e sentimentos ligados a ele.

Grupo4- Escreveram sobre assuntos superficiais ou irrelevantes. O objetivo deste grupo era ajudá-los a avaliar se escrever sobre assuntos banais produziria algum efeito à saúde.

Após o estudo, o grupo 3, nos seis meses seguintes, apresentou queda de 50% no índice de visitação mensal ao centro de saúde. Os voluntários, após quatro meses, preencheram questionário para avaliar os sentimentos , a longo prazo, quanto ao estudo que haviam participado. As respostas vieram de encontro com os dados do centro. Os questionários preenchidos pelo grupo 3, mostraram ,também, que escrever sobre pensamentos e sentimentos mais profundos ligados a um trauma colaborou para a melhoria dos estados de ânimo, numa visão mais positiva sobre a vida e em melhor saúde física.

 

Ressignificar perdas pela escrita…

“O ato de contar repetidamente uma experiência nos leva a organizá-la em nossa mente e a elaborar um resumo sobre a história que vivenciamos”. James Pennebaker

 

 Recentemente foi lançado o livro Perdas Compartilhadas (Com-Arte/ EDUSP), coletânea que trata da perda parental. A escrita foi uma via importante para a ressignificação das histórias compartilhadas. Cada história um capítulo e cada capítulo um resultado deste trabalho pela escrita.

Para a realização deste livro, organizamos alguns encontros entre os autores, com isso criou-se um espaço para o compartilhamento do processo de elaboração dessas histórias: a começar pela dificuldade encontrada para escrever sobre a perda do filho e o quão intenso e doloroso é reviver a perda no papel. Num segundo momento, a via da escrita trouxe novas possibilidades para reorganizar o que foi vivido e transformá-lo.

Através de cada etapa da construção dos capítulos pude constatar que a escrita apresenta um percurso diferente da fala. Ambas oferecem oportunidade para compartilhar e expressar a perda, no entanto, quando se escreve repetidamente sobre um evento traumático ou de difícil elaboração, processo ocorrido no livro e também nas oficinas de escritas que ofereço, passa-se pela mudança gradual de perspectiva, a história que antes poderia ser contada de forma desordenada e com respostas emocionais mais intensas, passa a ser abordada de uma maneira mais tranquila. A história vivida pode ocupar um espaço diferente de compreensão, gerando benefícios para o contexto atual de vida.

Para saber mais sobre oficinas de escrita como ferramenta no processo de reorganização da vida após um evento traumático ou de difícil elaboração, entre em contato: oficinas@perdascompartilhadas.com.br.

Próximo post: A escrita como ferramenta no processo de recolocação ou revisão do caminho profissional. Até lá!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s